baby boy three | baby shower and a birthday

a ideia de um baby shower nunca me passou pela cabeça até agora. não fiz dos manos e aos baby showers que fui enquanto vivi na california, em itália (que também os fazem), na bélgica e em moçambique (estes envolvem tanto versão portuguesa, como moçambicana como sul africana…) nunca gostei. sempre envolveram demasiados jogos estranhos e esta coisa das grávidas e ser mãe e tanto discurso da maternidade sempre me deixou muito pouco à vontade, talvez porque não tinha filhos e quando os tive não tive vontade nenhuma de ter um nem deixei que alguém me planeasse um… acho muito mais giro planear um chá, festa, lanche, o que for para dar a conhecer os babies ás tias, amigas e gente variada tudo no mesmo momento para que depois se possa descansar das visitas. com os manos fizemos isso, um lanche “meet the babies” coisa que já se torna mais comum também por cá… um pouco para não ser demasiado embaraçoso entre jogos de “adivinha quem é esta nesta foto de 1982” ou “quem consegue tirar e colocar uma fralda mais rápido”… dispenso. não é o meu género de todo.

mas de repente percebi que vou ter o terceiro, talvez o último, deixo o talvez para depois ninguém me acusar de nada, e percebo que coisas que fiz com eles já não fazem sentido, outras que não fiz podem fazer sentido agora… uma delas foi o modo como festejei os meus anos. todos os anos desde que voltámos para lisboa que faço um brunch para os amigos e filhos destes que também gostam de vir e eu adoro ver por perto, num sítio acolhedor e que me deixe entrar por ali a dentro, decorar e criar uma manhã calma, tranquila mas muito minha.

este ano lembrei-me, porque não juntar as duas coisas, porque não criar um brunch como sempre, num sítio que eu adore como sempre, mas que junte não só os meus anos, um bolo de aniversário mas também algo do #babyboythree ,visto estar tão presente em mim e quase quase a chegar, que porque não termos mais um momento a dois, com os amigos e talvez quem sabe nesse dia poder anunciar o nome de tão esperada criança que já esteve muito perto de ter nome de deus grego ou romano caso o pai me levasse ao desespero sem forças para lutar por algo mais neutro… e assim foi. dei duas opções, preferia a primeira ele escolheu a segunda e eu agora já só o quero ver!

estou finalmente de baixa, preciso descansar e arrumar coisas, tralhas, preparar esta casa para a chegada deste mini mano e gozar os manos mais velhos só meus durante umas semanas… faltam precisamente 5 até ás 40. não sei se lá chego mas queria que nascesse com mais de 37 pelo menos que foi com que eles nasceram e vieram tão gordinhos e bons bebés. este tem que vir assim também, espero. ando cansada e a baixa vai-me dar um pouco de tempo para nós, para mim e para o natal, ano novo e todo um doismiledezassete para preparar. assim, decidi que este fim-de-semana era o ideal para dar de presente aos meus amigos um brunch, saboroso, querido e com o Vasco a ser o centro das atenções!

decoração sempre com algum toque natalício, não fizesse eu anos bem perto do natal mas a #MINILOJA, perfeita para eventos desta dimensão forneceu o tom azul água que deu o mote a um baby shower simples e mesmo à medida para mim, sem alaridos, nem dramas, só branco, azul, preto e verde. basta muito pouco para criar um ambiente cheio de ternura. a ideia era mesmo ter uma decoração que pudesse dar para um bebé, fase em que não há bonecos nem cores demasiado fortes, e juntar o preto e branco em força para a mãe. o preto funciona lindamente em decorações de festa, principalmente nesta altura do ano, não é triste nem negativo, é uma cor perfeita para base e de onde se pode variar a partir de. o azul foi usado mesmo só nas paredes e é um tom muito leve, o tal azul água que ajuda depois nas variações da mesma cor, podendo usar mais verde, mais menta, etc.

o lanche esse também tem que combinar bem com a decoração, claro que não é decorar a mesa com comida verde nem azul ou preta, mas tentar que o que se coloca na mesa seja neutro e não folclórico destoando não só dos tons, mas do ambiente que se quer criar. o bolo da sweetcakes estava tal e qual o que eu pedi, branquinha com chocolate negro a escorrer (ai que delícia!) e com pó de suspiros por cima onde eu depois coloquei suspiros lindos miniatura em cima, suspiros esses que juntamente com os sonhos mim, perfeita dimensão de um sonho, chegaram logo cedo, entregues em mão pela tartine do chiado que merece um grande “wow” da minha parte, pois como sempre não desilude.

bolo | sweetcakes . quadro | papel ao quadrado . suspiros e sonhos | tartine . espaço | MINILOJA

pão variado, croissants miniatura, empadas acabadiças de sair do forno da padaria portuguesa foram magníficos para criar um pequeno almoço tardio mas consistente para que as barriguidinhas ficassem aconchegadas. doces caseiros, queijos vários, broas de mel com “neve” do Sr. Zé cá do bairro, suspiros por todo o lado, do tamanho de um beijo, chá, sumos, águas, iogurte grego, fruta, ai que bom que estava tudo… de sobras nada, tudo comido e apreciado. foi uma manhã boa, como amigos, tias e tios e tantos amiguinhos para este nosso Vasquinho…

pode vir meu querido… aqui há muita ternura e mimo à sua espera.

Continue Reading

baby boy three | baby shower and a birthday

a ideia de um baby shower nunca me passou pela cabeça até agora. não fiz dos manos e aos baby showers que fui enquanto vivi na california, em itália (que também os fazem), na bélgica e em moçambique (estes envolvem tanto versão portuguesa, como moçambicana como sul africana…) nunca gostei. sempre envolveram demasiados jogos estranhos e esta coisa das grávidas e ser mãe e tanto discurso da maternidade sempre me deixou muito pouco à vontade, talvez porque não tinha filhos e quando os tive não tive vontade nenhuma de ter um nem deixei que alguém me planeasse um… acho muito mais giro planear um chá, festa, lanche, o que for para dar a conhecer os babies ás tias, amigas e gente variada tudo no mesmo momento para que depois se possa descansar das visitas. com os manos fizemos isso, um lanche “meet the babies” coisa que já se torna mais comum também por cá… um pouco para não ser demasiado embaraçoso entre jogos de “adivinha quem é esta nesta foto de 1982” ou “quem consegue tirar e colocar uma fralda mais rápido”… dispenso. não é o meu género de todo.

mas de repente percebi que vou ter o terceiro, talvez o último, deixo o talvez para depois ninguém me acusar de nada, e percebo que coisas que fiz com eles já não fazem sentido, outras que não fiz podem fazer sentido agora… uma delas foi o modo como festejei os meus anos. todos os anos desde que voltámos para lisboa que faço um brunch para os amigos e filhos destes que também gostam de vir e eu adoro ver por perto, num sítio acolhedor e que me deixe entrar por ali a dentro, decorar e criar uma manhã calma, tranquila mas muito minha.

este ano lembrei-me, porque não juntar as duas coisas, porque não criar um brunch como sempre, num sítio que eu adore como sempre, mas que junte não só os meus anos, um bolo de aniversário mas também algo do #babyboythree ,visto estar tão presente em mim e quase quase a chegar, que porque não termos mais um momento a dois, com os amigos e talvez quem sabe nesse dia poder anunciar o nome de tão esperada criança que já esteve muito perto de ter nome de deus grego ou romano caso o pai me levasse ao desespero sem forças para lutar por algo mais neutro… e assim foi. dei duas opções, preferia a primeira ele escolheu a segunda e eu agora já só o quero ver!

estou finalmente de baixa, preciso descansar e arrumar coisas, tralhas, preparar esta casa para a chegada deste mini mano e gozar os manos mais velhos só meus durante umas semanas… faltam precisamente 5 até ás 40. não sei se lá chego mas queria que nascesse com mais de 37 pelo menos que foi com que eles nasceram e vieram tão gordinhos e bons bebés. este tem que vir assim também, espero. ando cansada e a baixa vai-me dar um pouco de tempo para nós, para mim e para o natal, ano novo e todo um doismiledezassete para preparar. assim, decidi que este fim-de-semana era o ideal para dar de presente aos meus amigos um brunch, saboroso, querido e com o Vasco a ser o centro das atenções!

decoração sempre com algum toque natalício, não fizesse eu anos bem perto do natal mas a #MINILOJA, perfeita para eventos desta dimensão forneceu o tom azul água que deu o mote a um baby shower simples e mesmo à medida para mim, sem alaridos, nem dramas, só branco, azul, preto e verde. basta muito pouco para criar um ambiente cheio de ternura. a ideia era mesmo ter uma decoração que pudesse dar para um bebé, fase em que não há bonecos nem cores demasiado fortes, e juntar o preto e branco em força para a mãe. o preto funciona lindamente em decorações de festa, principalmente nesta altura do ano, não é triste nem negativo, é uma cor perfeita para base e de onde se pode variar a partir de. o azul foi usado mesmo só nas paredes e é um tom muito leve, o tal azul água que ajuda depois nas variações da mesma cor, podendo usar mais verde, mais menta, etc.

o lanche esse também tem que combinar bem com a decoração, claro que não é decorar a mesa com comida verde nem azul ou preta, mas tentar que o que se coloca na mesa seja neutro e não folclórico destoando não só dos tons, mas do ambiente que se quer criar. o bolo da sweetcakes estava tal e qual o que eu pedi, branquinha com chocolate negro a escorrer (ai que delícia!) e com pó de suspiros por cima onde eu depois coloquei suspiros lindos miniatura em cima, suspiros esses que juntamente com os sonhos mim, perfeita dimensão de um sonho, chegaram logo cedo, entregues em mão pela tartine do chiado que merece um grande “wow” da minha parte, pois como sempre não desilude.

bolo | sweetcakes . quadro | papel ao quadrado . suspiros e sonhos | tartine . espaço | MINILOJA

pão variado, croissants miniatura, empadas acabadiças de sair do forno da padaria portuguesa foram magníficos para criar um pequeno almoço tardio mas consistente para que as barriguidinhas ficassem aconchegadas. doces caseiros, queijos vários, broas de mel com “neve” do Sr. Zé cá do bairro, suspiros por todo o lado, do tamanho de um beijo, chá, sumos, águas, iogurte grego, fruta, ai que bom que estava tudo… de sobras nada, tudo comido e apreciado. foi uma manhã boa, como amigos, tias e tios e tantos amiguinhos para este nosso Vasquinho…

pode vir meu querido… aqui há muita ternura e mimo à sua espera.

Continue Reading

it’s my birthday | 37

mini sessão . seis anos e vinte e oito semanas | mariana megre fotografia 

que seja o único ano em que partilho o meu dia de anos com outras pessoas… e que se o deva fazer que seja só e apenas convosco, os meus três pequenos homens. há quanto tempo andávamos à espera que eu estivesse bem disposta para passarmos uma manhã com a mariana, a fazer a nossa sessão anual dos manos… este ano em maio foi quase impossível, tentámos mas os meus enjoos e aquele tempo sinistro entre chuva, vento e nuvens cinzentas fizeram com que a vontade faltasse e o entusiasmo fugisse do nosso controlo… lá nos rendemos e esperámos que o verão passasse para descobrir que afinal o que nós queríamos era uma barrigudinha já notável, dois manos já a saber ler e um dia de outono que mais parecia pleno verão. e que bom que soube sair de casa pela fresquinha, ir ao maat sem filas, antes da cidade acordar e ver o rio, assim como se ainda ninguém o tivesse descoberto nem que soubesse que havia parte da cidade tão espectacular como esta.

calor, arquitectura, lisboa, rio tejo, manos, barriga e uma mãe bem disposta!

e hoje faço anos.

o que eu adoro fazer anos. de há uns anos para cá que neste dia preciso ser mimada preciso de me ver como os outros me veêm e quem melhor do que usa máquinas fotográficas e faz parar o tempo durante uns momentos. que magnífico presente receber logo de manhã estas imagens, ver-nos juntos, saber que vem aí mais um e que eu nunca estive tão bem acompanhada. as cores, os sorrisos, o tom, o calor, já não estamos bronzeados mas o branco faz-nos bem, que morenos que eles são, que crescidos, que miúdos queridos de sua mãe… e que vontade de vos ver com o mano nos braços, ao colo e a chamar por vocês.

e eu hoje faço anos…

grávida como há seis anos, mais cansada, mais needy de mimos sejam eles de chocolate ou de mozzarella ou de colo, mas pronta para o próximo ano. vai ser um ano diferente, mas eu continuo igual… nos meus anos acho sempre que estou bem, olho para o que se passou e apesar de tudo, tenha sido triste, estranho, difícil, gratificante, feliz ou alegre ,precisa de análise e chegar a este dia com um sorriso na cara e dizer, valeu a pena.

o balanço entre ser andrea, mulher, mãe, profissional, empreendedora é dos mais difíceis que já vivi, e no entanto já não sei o que é ser apenas uma destas coisas, tudo faz sentido assim, talvez seja demais, talvez pudesse ser menos mas não o saberia ser nem o quereria ser. não sou eu se não for assim. tenho desejos para mim mesma todos os anos, o balanço é feito agora, é perceber que apesar dos medos, ansiedades e reticências tudo o que faço o faço em pleno, a cem por cento e confiante que disso tirarei o que me levará em frente. não gosto de me martirizar, escolhi esta profissão, escolhi este trabalho, escolhi estes filhos, esta casa, este bairro, este país, este percurso e é aqui que eu quero estar e é aqui que eu serei em pleno, eu. a minha vida já deu voltas, daquelas de que nos viram do avesso e que boas voltas essas foram. tudo o que sou, fui eu que o escolhi para mim… mesmo que algumas voltas tenham vindo por surpresa, vieram porque eu assim permiti.

que eu saiba sempre manter o equilíbrio, que eu saiba sempre parar e respirar fundo, que eu saiba sempre ver o que tenho de bom acima do que tenho de menos bom… que eu nunca esqueça o que aqui me trouxe e o que daqui levo.

eu hoje faço anos e estou bem.

Continue Reading

it’s my birthday | 37

mini sessão . seis anos e vinte e oito semanas | mariana megre fotografia 

que seja o único ano em que partilho o meu dia de anos com outras pessoas… e que se o deva fazer que seja só e apenas convosco, os meus três pequenos homens. há quanto tempo andávamos à espera que eu estivesse bem disposta para passarmos uma manhã com a mariana, a fazer a nossa sessão anual dos manos… este ano em maio foi quase impossível, tentámos mas os meus enjoos e aquele tempo sinistro entre chuva, vento e nuvens cinzentas fizeram com que a vontade faltasse e o entusiasmo fugisse do nosso controlo… lá nos rendemos e esperámos que o verão passasse para descobrir que afinal o que nós queríamos era uma barrigudinha já notável, dois manos já a saber ler e um dia de outono que mais parecia pleno verão. e que bom que soube sair de casa pela fresquinha, ir ao maat sem filas, antes da cidade acordar e ver o rio, assim como se ainda ninguém o tivesse descoberto nem que soubesse que havia parte da cidade tão espectacular como esta.

calor, arquitectura, lisboa, rio tejo, manos, barriga e uma mãe bem disposta!

e hoje faço anos.

o que eu adoro fazer anos. de há uns anos para cá que neste dia preciso ser mimada preciso de me ver como os outros me veêm e quem melhor do que usa máquinas fotográficas e faz parar o tempo durante uns momentos. que magnífico presente receber logo de manhã estas imagens, ver-nos juntos, saber que vem aí mais um e que eu nunca estive tão bem acompanhada. as cores, os sorrisos, o tom, o calor, já não estamos bronzeados mas o branco faz-nos bem, que morenos que eles são, que crescidos, que miúdos queridos de sua mãe… e que vontade de vos ver com o mano nos braços, ao colo e a chamar por vocês.

e eu hoje faço anos…

grávida como há seis anos, mais cansada, mais needy de mimos sejam eles de chocolate ou de mozzarella ou de colo, mas pronta para o próximo ano. vai ser um ano diferente, mas eu continuo igual… nos meus anos acho sempre que estou bem, olho para o que se passou e apesar de tudo, tenha sido triste, estranho, difícil, gratificante, feliz ou alegre ,precisa de análise e chegar a este dia com um sorriso na cara e dizer, valeu a pena.

o balanço entre ser andrea, mulher, mãe, profissional, empreendedora é dos mais difíceis que já vivi, e no entanto já não sei o que é ser apenas uma destas coisas, tudo faz sentido assim, talvez seja demais, talvez pudesse ser menos mas não o saberia ser nem o quereria ser. não sou eu se não for assim. tenho desejos para mim mesma todos os anos, o balanço é feito agora, é perceber que apesar dos medos, ansiedades e reticências tudo o que faço o faço em pleno, a cem por cento e confiante que disso tirarei o que me levará em frente. não gosto de me martirizar, escolhi esta profissão, escolhi este trabalho, escolhi estes filhos, esta casa, este bairro, este país, este percurso e é aqui que eu quero estar e é aqui que eu serei em pleno, eu. a minha vida já deu voltas, daquelas de que nos viram do avesso e que boas voltas essas foram. tudo o que sou, fui eu que o escolhi para mim… mesmo que algumas voltas tenham vindo por surpresa, vieram porque eu assim permiti.

que eu saiba sempre manter o equilíbrio, que eu saiba sempre parar e respirar fundo, que eu saiba sempre ver o que tenho de bom acima do que tenho de menos bom… que eu nunca esqueça o que aqui me trouxe e o que daqui levo.

eu hoje faço anos e estou bem.

Continue Reading
Close Menu
×
×

Cart