it’s my birthday | december thirteenth

e aqui estou eu de novo, passado um ano em pulgas para o dia treze de dezembro, o melhor dia do ano, se bem que preferia estar super activa e cheia de genica, ao contrário disso arrasto-me bem mais, não é da idade… credo que não me sinto nada velha nem um ano mais velha, tenho é um adereço de barriguita que já pesa e já leva com trinta e quatro semanas. dos gémeos também estava grávida nos meus anos mas só de doze semanas e no mesmo dia em que as fiz, e fiz anos deixei de ter enjoos e fiz praia nos trópicos com ondas altíssimas e uns dias maravilhosos. agora, já estou no hemisfério norte, com casaco, botas e um cachecol. é difierente, mas é tão bom e espero que a energia que eu ainda tenho não desapareça tão cedo que há muito para fazer… mas pensemos em mim durante três, ou melhor, treze minutos!!
eis a minha “pequena” lista de presentes que eu adorava receber no dia treze de dezembro, dia em que acordo vinte vezes para me auto dar os parabéns e dia em que salto da cama, quero mimos, presentes e muitos beijinhos. muitos destes desejos foram-me sugerimos por quem me conhece de gingeira e que mesmo assim me surpreendeu, tipo “vi isto, amo mas não sei se gostas!” ora essa, amei tudo e tudo conjuga com o tema do ano… sim eu tenho temas de prendas, não só para as que vou oferecer no natal, como para as que quero receber nos meus anos. …chamem-me ridícula, mas mais ridículo ainda é não gostar de festejar o dia em que nascemos. dito isto, que acham desta lista? 
é que entre peças enormes, lindas e tão portuguesas, também gosto de coisas super simples. adoro o relógio de valor um tanto ou quanto mais elevado, mas que combinaria muito bem com o meu pulso. canecas “you and me” que ele nunca usaria, mas que eu faria questão que ele me desse (depois do relógio), um serviço de chá para um, português, preto e tão lindoooooo.
tantas coisas, parece mal pedir tanto, mas o melhor é dividir pelas aldeias e que cada uma destas peças encontre o caminho para a minha cama no dia treze de manhã… se não, enfim, dou o desconto de mais doze dias e encontrarem caminho para debaixo da árvore… mas não exageremos. 
que chegue o dia treze rápidamente!!!!
Continue Reading

it’s my birthday | december thirteenth

e aqui estou eu de novo, passado um ano em pulgas para o dia treze de dezembro, o melhor dia do ano, se bem que preferia estar super activa e cheia de genica, ao contrário disso arrasto-me bem mais, não é da idade… credo que não me sinto nada velha nem um ano mais velha, tenho é um adereço de barriguita que já pesa e já leva com trinta e quatro semanas. dos gémeos também estava grávida nos meus anos mas só de doze semanas e no mesmo dia em que as fiz, e fiz anos deixei de ter enjoos e fiz praia nos trópicos com ondas altíssimas e uns dias maravilhosos. agora, já estou no hemisfério norte, com casaco, botas e um cachecol. é difierente, mas é tão bom e espero que a energia que eu ainda tenho não desapareça tão cedo que há muito para fazer… mas pensemos em mim durante três, ou melhor, treze minutos!!
eis a minha “pequena” lista de presentes que eu adorava receber no dia treze de dezembro, dia em que acordo vinte vezes para me auto dar os parabéns e dia em que salto da cama, quero mimos, presentes e muitos beijinhos. muitos destes desejos foram-me sugerimos por quem me conhece de gingeira e que mesmo assim me surpreendeu, tipo “vi isto, amo mas não sei se gostas!” ora essa, amei tudo e tudo conjuga com o tema do ano… sim eu tenho temas de prendas, não só para as que vou oferecer no natal, como para as que quero receber nos meus anos. …chamem-me ridícula, mas mais ridículo ainda é não gostar de festejar o dia em que nascemos. dito isto, que acham desta lista? 
é que entre peças enormes, lindas e tão portuguesas, também gosto de coisas super simples. adoro o relógio de valor um tanto ou quanto mais elevado, mas que combinaria muito bem com o meu pulso. canecas “you and me” que ele nunca usaria, mas que eu faria questão que ele me desse (depois do relógio), um serviço de chá para um, português, preto e tão lindoooooo.
tantas coisas, parece mal pedir tanto, mas o melhor é dividir pelas aldeias e que cada uma destas peças encontre o caminho para a minha cama no dia treze de manhã… se não, enfim, dou o desconto de mais doze dias e encontrarem caminho para debaixo da árvore… mas não exageremos. 
que chegue o dia treze rápidamente!!!!
Continue Reading

it’s my birthday | december thirteenth

1 | 2 | 3 e 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9

faltam aqui umas coisinhas… as que eu me vou oferecer a mim própria! que valem tanto quanto as outras, como por exemplo a sessão fotográfica dos anos… e que bem que me sabe sentir-me única por um dia. no fundo eu não preciso de nada, mas também não sou tão zen que não goste de receber presentes. quero algumas coisas, mas se não vierem, virão outras e de alguma maneira chegarão a mim. desde um bolo lindo para o brunch dos meus anos, à viagem a milão que mesmo que certa, sabe-me a ouro, a tatuagem para que me lembre do que sou, da capa do telémovel que preciso, para a agenda que é necessária desde o primeiro dia, ás almofadas e máquina fotográfica que me ajudariam a ser mais feliz certamente!! eu sei lá… a lista poderia ser mais pequena, mas os desejos, esses são infinitos, para mim e para os que me circundam… 

Continue Reading

it’s my birthday | december thirteenth

1 | 2 | 3 e 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9

faltam aqui umas coisinhas… as que eu me vou oferecer a mim própria! que valem tanto quanto as outras, como por exemplo a sessão fotográfica dos anos… e que bem que me sabe sentir-me única por um dia. no fundo eu não preciso de nada, mas também não sou tão zen que não goste de receber presentes. quero algumas coisas, mas se não vierem, virão outras e de alguma maneira chegarão a mim. desde um bolo lindo para o brunch dos meus anos, à viagem a milão que mesmo que certa, sabe-me a ouro, a tatuagem para que me lembre do que sou, da capa do telémovel que preciso, para a agenda que é necessária desde o primeiro dia, ás almofadas e máquina fotográfica que me ajudariam a ser mais feliz certamente!! eu sei lá… a lista poderia ser mais pequena, mas os desejos, esses são infinitos, para mim e para os que me circundam… 

Continue Reading

me | myself and i

brigida brito | fotografia
a partir do momento em que comecei o processo de destralhar, limpar e organizar-me melhor percebi que preciso de tempo para ficar quieta. nunca na minha vida foi tão importante parar. parar, ouvir o silêncio e não ter absolutamente nenhum objectivo naquele momento que não seja ouvir-nos… todos os dias acrescento mais um momento desses, o objectivo é perceber que existe tempo. minutos, horas até, de tempo numa semana, recuperados ao que chamávamos tempo livre, mas que não era nada mais, nada menos que o encher o tempo de tarefas como ir buscar os miúdos, ir aos correios, ir ao médico, ir ao supermercado, ir à farmácia, tratar de contas, prolongar o horário de trabalho com a desculpa que “adianto já isto”. a menos que seja as contas para pagar, nada do resto tem data limite. 
the kids are all right, tem sido o meu lema, mesmo querendo ter mil e um programas para os entreter, eles estão bem na escola mesmo que não os vá buscar assim que acabam de meter a última dentada do lanche na boca… eles querem brincar, precisam brincar e se for na escola com os amiguinhos então que seja. todos os dias vou a horas diferentes e recuperei com isso o meu tempo. o meu tempo que deixou se ser só tratar das unhas ou tratar de assuntos soltos, passou a ser eu e só eu. 

realizing you have time is probably the most chocking thing i have learnt since becoming a mother… almost as if you’d feel guilty if not taking that time and filling it with “things to do” and “entertaining the kids”, i’ve never thought of me as a “soccer mom”, those who cannot do anything besides arranging their social and activity life, but somehow i am slowly walking away from it and letting them be… the kids are all right and so am i.

.

capire che hai tempo é stato piú dificile di quello che pensavo. non sono mai stata una mamma stressata che riempe il giorno con attivitá per i bimbi perché devonno essere sempre in movimento… piú che altro l’ho trascinato ovunque per le cose che dovevo fare io… peró, quello vuole dire lo stesso. usare quello tempo che hai libero tra lavoro e la scuola, per sederti e goderti il silenzio sará il tuo tesoro piú bello e quello che potrebbe darti di piú. i bimbi stanno bene, adesso sei tu. 

Continue Reading

me | myself and i

brigida brito | fotografia
a partir do momento em que comecei o processo de destralhar, limpar e organizar-me melhor percebi que preciso de tempo para ficar quieta. nunca na minha vida foi tão importante parar. parar, ouvir o silêncio e não ter absolutamente nenhum objectivo naquele momento que não seja ouvir-nos… todos os dias acrescento mais um momento desses, o objectivo é perceber que existe tempo. minutos, horas até, de tempo numa semana, recuperados ao que chamávamos tempo livre, mas que não era nada mais, nada menos que o encher o tempo de tarefas como ir buscar os miúdos, ir aos correios, ir ao médico, ir ao supermercado, ir à farmácia, tratar de contas, prolongar o horário de trabalho com a desculpa que “adianto já isto”. a menos que seja as contas para pagar, nada do resto tem data limite. 
the kids are all right, tem sido o meu lema, mesmo querendo ter mil e um programas para os entreter, eles estão bem na escola mesmo que não os vá buscar assim que acabam de meter a última dentada do lanche na boca… eles querem brincar, precisam brincar e se for na escola com os amiguinhos então que seja. todos os dias vou a horas diferentes e recuperei com isso o meu tempo. o meu tempo que deixou se ser só tratar das unhas ou tratar de assuntos soltos, passou a ser eu e só eu. 

realizing you have time is probably the most chocking thing i have learnt since becoming a mother… almost as if you’d feel guilty if not taking that time and filling it with “things to do” and “entertaining the kids”, i’ve never thought of me as a “soccer mom”, those who cannot do anything besides arranging their social and activity life, but somehow i am slowly walking away from it and letting them be… the kids are all right and so am i.

.

capire che hai tempo é stato piú dificile di quello che pensavo. non sono mai stata una mamma stressata che riempe il giorno con attivitá per i bimbi perché devonno essere sempre in movimento… piú che altro l’ho trascinato ovunque per le cose che dovevo fare io… peró, quello vuole dire lo stesso. usare quello tempo che hai libero tra lavoro e la scuola, per sederti e goderti il silenzio sará il tuo tesoro piú bello e quello che potrebbe darti di piú. i bimbi stanno bene, adesso sei tu. 

Continue Reading

keep calm and let go

e mais uma semana começa com tantas boas intenções apesar da chuva… apesar do rumo que o país poderá ou não tomar a partir do momento que temos um deputado do pan no parlamento… enfim.
mais uma semana de muitos arrumos, limpezas e controlo. todas as semanas recomeço um processo novo de organização, mesmo que a lista dos to-dos seja eterna e que já venha de trás de tal maneira rabiscada que só precise mesmo de um novo look, começo de novo, limpinha, sem erros nem correcções, pronta para reformular tarefas, ideias, planos e sugestões. é mais forte que eu, como se este meu amor a escrever, não quero escrever um livro quero apenas dar corda à mão, não me deixasse usar a mesma lista vezes sem conta e precisa de a reescrever para que a mente não se esqueça. 
o meu último exercício de memória é perdê-la. ultimamente tenho-me apercebido que guardo imensa coisa na cabeça, inútil. dá jeito para quem à minha volta perde coisas, ou já não se lembra de outras, não sabe se alguém faz anos ou se é preciso pagar uma conta qualquer não sei de quê… mas eu estou cansada de ser o hard disk externo dos outros e por isso mesmo o exercício de escrever tudo ajuda-me a ter sob controlo aquilo que quero ou não guardar na cabeça. é claro que, como tantas pessoas, a partir do momento que o escrevo, decoro-o e não me esqueço, mas há de vez em quando um momento em que digo “já não me lembro, vou ver…” e procuro nos cadernos, listas e lembretes e voilá, ali está o pormenor que não guardei na cabeça mas que soube mantê-lo por perto… isto, parece que não mas é um exercício terrívelmente difícil para mim. quem me conhece sabe que guardo tudo, associado aos mais estúpidos, estranhos, particulares pormenores, quase como uma cábula que em vez de estar escondida para um teste no liceu, está guardada na memória. também não vou perder isto de um dia para o outro, mas devagar se vai ao longe (já dizia o título do meu livro de português da segunda-classe) e com calma lá chegarei. perderei no processo tanta coisa à qual dei demasiado valor, mas a vida é feita disso mesmo… tudo no seu devido momento. 
agora só preciso de tempo e de coragem.

brigida brito fotografia | site | facebook 

Continue Reading

keep calm and let go

e mais uma semana começa com tantas boas intenções apesar da chuva… apesar do rumo que o país poderá ou não tomar a partir do momento que temos um deputado do pan no parlamento… enfim.
mais uma semana de muitos arrumos, limpezas e controlo. todas as semanas recomeço um processo novo de organização, mesmo que a lista dos to-dos seja eterna e que já venha de trás de tal maneira rabiscada que só precise mesmo de um novo look, começo de novo, limpinha, sem erros nem correcções, pronta para reformular tarefas, ideias, planos e sugestões. é mais forte que eu, como se este meu amor a escrever, não quero escrever um livro quero apenas dar corda à mão, não me deixasse usar a mesma lista vezes sem conta e precisa de a reescrever para que a mente não se esqueça. 
o meu último exercício de memória é perdê-la. ultimamente tenho-me apercebido que guardo imensa coisa na cabeça, inútil. dá jeito para quem à minha volta perde coisas, ou já não se lembra de outras, não sabe se alguém faz anos ou se é preciso pagar uma conta qualquer não sei de quê… mas eu estou cansada de ser o hard disk externo dos outros e por isso mesmo o exercício de escrever tudo ajuda-me a ter sob controlo aquilo que quero ou não guardar na cabeça. é claro que, como tantas pessoas, a partir do momento que o escrevo, decoro-o e não me esqueço, mas há de vez em quando um momento em que digo “já não me lembro, vou ver…” e procuro nos cadernos, listas e lembretes e voilá, ali está o pormenor que não guardei na cabeça mas que soube mantê-lo por perto… isto, parece que não mas é um exercício terrívelmente difícil para mim. quem me conhece sabe que guardo tudo, associado aos mais estúpidos, estranhos, particulares pormenores, quase como uma cábula que em vez de estar escondida para um teste no liceu, está guardada na memória. também não vou perder isto de um dia para o outro, mas devagar se vai ao longe (já dizia o título do meu livro de português da segunda-classe) e com calma lá chegarei. perderei no processo tanta coisa à qual dei demasiado valor, mas a vida é feita disso mesmo… tudo no seu devido momento. 
agora só preciso de tempo e de coragem.

brigida brito fotografia | site | facebook 

Continue Reading
Close Menu
×
×

Cart