dia da criança | timberland&vans

timberland | 1.2.3.4 _ vans | 5.7.8 _ zara | 6
Os manos fazem anos no dia 31 de maio, um dia antes do famoso, e tão apetecido, DIA DA CRIANÇA. Por hábito não costumamos dar prendas, porque no dia anterior já houve que chegue, mas tento fazer qualquer coisa com eles e sim, ofereço sempre qualquer coisa porque o meu coração de mãe não aguenta quando vê coisas giras e cool para os meus boys crescidos. A Timberland e Vans são marcas que pensam e muito bem nos rapazes que querem ser miúdos crescidos. Têm ambas tamanhos bons e cores que eu adoro. Nunca os visto de igual, mas gosto que tenham o mesmo look, mudando uma cor, ou um adereço que possa alterar logo uma combinação. 
Como gémeos, sei que também o preferem assim!
Azul e encarnado, cores giras e tão típicas destas mesmas marcas. Não é apenas uma tshirt, nem apenas uns calções, é todo um combinar de peças giras. Os óculos são da Zara, porque não faz mal ir buscar uma peça ou outra aqui e ali. 

Continue Reading

dia da criança | timberland&vans

timberland | 1.2.3.4 _ vans | 5.7.8 _ zara | 6
Os manos fazem anos no dia 31 de maio, um dia antes do famoso, e tão apetecido, DIA DA CRIANÇA. Por hábito não costumamos dar prendas, porque no dia anterior já houve que chegue, mas tento fazer qualquer coisa com eles e sim, ofereço sempre qualquer coisa porque o meu coração de mãe não aguenta quando vê coisas giras e cool para os meus boys crescidos. A Timberland e Vans são marcas que pensam e muito bem nos rapazes que querem ser miúdos crescidos. Têm ambas tamanhos bons e cores que eu adoro. Nunca os visto de igual, mas gosto que tenham o mesmo look, mudando uma cor, ou um adereço que possa alterar logo uma combinação. 
Como gémeos, sei que também o preferem assim!
Azul e encarnado, cores giras e tão típicas destas mesmas marcas. Não é apenas uma tshirt, nem apenas uns calções, é todo um combinar de peças giras. Os óculos são da Zara, porque não faz mal ir buscar uma peça ou outra aqui e ali. 

Continue Reading

quarto mês | babyboythree

Quando ontem postei a imagem dos quatro meses do V logo recebi msgs a perguntar como estava a saga da amamentação! Parece que deixei bem impresso o drama que isso foi… e não deixou de ser. a grande diferença entre o primeiro mês e agora é sem dúvida a dor constante. Essa já era.. e o sol apareceu. Estar em permanente dor e não poder sair de casa foi sem dúvida o pior de tudo, quando o sol apareceu apesar de ainda haver dor, há mais vontade de sair… hoje, aos quatro meses o V passa mais tempo fora de casa comigo, claro, do que dentro e para a cabeça faz toda a diferença, a minha!

Essa dor constante desapareceu realmente, mas a pega, essa não a consegui corrigir e mesmo não achando que já é tarde para o fazer, já não me ralo tanto. ele come muito bem, de noite mama e tiro leite quando consigo, mais ou menos duas x por dia, e quando saio de casa levo leite em pó, não faço dramas, não deixo de lhe dar maminha e consigo sempre que posso tirar para que tome o meu caso eu precise sair ou estiver com o peito ainda muito sensível. Isso não desapareceu. A sensação de ter leite a mais ainda não desapareceu, mas cheguei a um equilíbrio, principalmente mental, o meu. Hoje em dia, eu e o baby V somos melhores juntos do que fomos há 3 meses. Consultei quatro CAMs e apenas na última vi luz ao fundo do túnel, obrigada Francisca da Let’sGrowUp, porque me abriu os olhos quanto ao que realmente era importante, sarar as feridas para sarar a mente. Enquanto eu tivesse feridas não havia volta a dar e para sarar seria preciso algum distanciamento dele para que o peito descansasse…

Redescobrimo-nos os dois e hoje neste equilíbrio tranquilo e pacífico para ambos, somos mais fortes e mais unidos que nunca, de tal maneira que ao contrário dos manos… este, se me vê a sair de perto dele choraminga, se o pai lhe pega ao colo e o vira para a frente… e me vê, chora! vai com facilidade para outros colos, mas não quer estar nunca sozinho.

Ri-se como se não houvesse amanhã e põe toda a gente a rir. É delicioso vê-lo interagir connosco e com todos. É daqueles que adora que as velhotas interajam com ele nos cafés e no bairro já faz as delícias dos vizinhos que o vêm todos os dias.

E aos quatro meses, tivemos já uma constipação para curar… nunca tive um bebé tão pequenino doente e por isso apanhou-me de surpresa, mas na verdade é um querido. Apesar de doente, dorme muito e pede mais colo, mas é amigo da sua mãe.

Continua a ser um doce, continua a ser bonzinho, a fazer noites longas e comer muito bem, seja onde for com quem for. Com ele aprendi já imensa coisa… recomeçar é sempre bom, sempre preciso. E que bom que é todos os dias ver este bebé por perto, abraça-lo até à gargalhada, e cheirá-lo até mais não.

Os manos continuam apaixonados, mais calmos nas reacções connosco pais, e sempre muito ternurentos com o mano. Querem que ele cresça depressa para saberem o que faz e como faz o quê um bebé! Querem que se vire, que gatinhe, que ande, que fale e que saiba tudo sobre star wars e o benfica. Gostam muito dele, é o que mais me dizem durante o dia, mas apesar da idade sei que não têm noção de muita coisa, principalmente da fragilidade dele… mesmo assim, dou-lhes tarefas para me ajudarem, nunca envolvendo fraldas lol, mas coisas como tomarem conta dele enquanto estou com um dos manos no banho, brincar com ele enquanto eu estou a tentar trabalhar, lerem-lhe histórias enquanto eu estou na cozinha… é bom. Era só isto… era só isto que eu queria.

Continue Reading

quarto mês | babyboythree

Quando ontem postei a imagem dos quatro meses do V logo recebi msgs a perguntar como estava a saga da amamentação! Parece que deixei bem impresso o drama que isso foi… e não deixou de ser. a grande diferença entre o primeiro mês e agora é sem dúvida a dor constante. Essa já era.. e o sol apareceu. Estar em permanente dor e não poder sair de casa foi sem dúvida o pior de tudo, quando o sol apareceu apesar de ainda haver dor, há mais vontade de sair… hoje, aos quatro meses o V passa mais tempo fora de casa comigo, claro, do que dentro e para a cabeça faz toda a diferença, a minha!

Essa dor constante desapareceu realmente, mas a pega, essa não a consegui corrigir e mesmo não achando que já é tarde para o fazer, já não me ralo tanto. ele come muito bem, de noite mama e tiro leite quando consigo, mais ou menos duas x por dia, e quando saio de casa levo leite em pó, não faço dramas, não deixo de lhe dar maminha e consigo sempre que posso tirar para que tome o meu caso eu precise sair ou estiver com o peito ainda muito sensível. Isso não desapareceu. A sensação de ter leite a mais ainda não desapareceu, mas cheguei a um equilíbrio, principalmente mental, o meu. Hoje em dia, eu e o baby V somos melhores juntos do que fomos há 3 meses. Consultei quatro CAMs e apenas na última vi luz ao fundo do túnel, obrigada Francisca da Let’sGrowUp, porque me abriu os olhos quanto ao que realmente era importante, sarar as feridas para sarar a mente. Enquanto eu tivesse feridas não havia volta a dar e para sarar seria preciso algum distanciamento dele para que o peito descansasse…

Redescobrimo-nos os dois e hoje neste equilíbrio tranquilo e pacífico para ambos, somos mais fortes e mais unidos que nunca, de tal maneira que ao contrário dos manos… este, se me vê a sair de perto dele choraminga, se o pai lhe pega ao colo e o vira para a frente… e me vê, chora! vai com facilidade para outros colos, mas não quer estar nunca sozinho.

Ri-se como se não houvesse amanhã e põe toda a gente a rir. É delicioso vê-lo interagir connosco e com todos. É daqueles que adora que as velhotas interajam com ele nos cafés e no bairro já faz as delícias dos vizinhos que o vêm todos os dias.

E aos quatro meses, tivemos já uma constipação para curar… nunca tive um bebé tão pequenino doente e por isso apanhou-me de surpresa, mas na verdade é um querido. Apesar de doente, dorme muito e pede mais colo, mas é amigo da sua mãe.

Continua a ser um doce, continua a ser bonzinho, a fazer noites longas e comer muito bem, seja onde for com quem for. Com ele aprendi já imensa coisa… recomeçar é sempre bom, sempre preciso. E que bom que é todos os dias ver este bebé por perto, abraça-lo até à gargalhada, e cheirá-lo até mais não.

Os manos continuam apaixonados, mais calmos nas reacções connosco pais, e sempre muito ternurentos com o mano. Querem que ele cresça depressa para saberem o que faz e como faz o quê um bebé! Querem que se vire, que gatinhe, que ande, que fale e que saiba tudo sobre star wars e o benfica. Gostam muito dele, é o que mais me dizem durante o dia, mas apesar da idade sei que não têm noção de muita coisa, principalmente da fragilidade dele… mesmo assim, dou-lhes tarefas para me ajudarem, nunca envolvendo fraldas lol, mas coisas como tomarem conta dele enquanto estou com um dos manos no banho, brincar com ele enquanto eu estou a tentar trabalhar, lerem-lhe histórias enquanto eu estou na cozinha… é bom. Era só isto… era só isto que eu queria.

Continue Reading
  • 1
  • 2
Close Menu
×
×

Cart