baby boy three | his corner

numa casa pequena não há muito por onde inventar, o baby V sempre foi destinado a ficar no quarto dos manos quando passasse à cama de grades, que no caso dos gémeos foi aos três meses porque eu já não distinguia os sons da noite dos deles, do meu respirar e do choro da fome, passava as noites a abrir os olhos a achar que estavam quase a acordar… como só comiam quando acordassem passei noites sem fechar um olho. com o V já decidimos que ao passar para o quarto dos manos tem que passar mais tarde, mais crescido e com noites mais longas, não só pelo espaço como acredito também que os manos precisam do sono, precisam do descanso estando eles numa ano importante, o da primeira classe. precisam do descanso e de noites bem dormidas. assim sendo criei o cantinho do Vasco no nosso quarto com alguns detalhes que adoro, simples, poucas coisas que quero que depois passem com ele para o quarto grande. 
em frente à nossa cama tínhamos uma parede branca, uma cómodas brancas e duas prateleiras brancas com algumas coisas. em cima da cómoda não tínhamos nada praticamente, usava-as mais para pousar o que fosse preciso que outra coisa. passou rapidamente a ter uma função, muda-fraldas e apoio do mesmo. destravei uns armários, mais outras cómodas espalhadas pela casa e as cómodas, seis gavetas passaram a ser todas do novo membro da família. como recebi tanta roupa e acessórios emprestados foi num instante que enchi tudo, mais um terço do armário dos manos que estava vazio.  sou muito prática, odeio exageros e principalmente na roupa gosto de ter suficiente sem exageros, mas com um novo bebé a nascer no inverno, coisa que desconhecia como era, preferi guardar tudo e ir aos poucos re-arrumando, re-pensando e meter de lado assim que já não servir. 

no cantinho do Vasco no nosso quarto metemos só peças que nos são queridas, principalmente da #lojamaisqueridadobairro que essa é minha e tão querida mesmo. cliquem nos link para verem de onde são as peças e prometo que encontram coisas ainda mais giras e podem todas, ou quase, ser personalizadas. os quadros das cidades são meus, feitos há muito em mente para o #babyboythree que terá sempre no sangue estas duas cidades tão nossas. mas o amor do quadro pequenino, do vasco pescador é da querida tia Marta que sabe como nos fazer sorrir e tem jeito para um mundo de coisas fantásticas! 
acho que o resultado, apesar do preto e branco que pode para muitos não ser o ideal para um bebé, ficou muito querido e perfeito para receber mais um rapaz nesta casa. mais tarde passará tudo para o quarto grande e aqui ficarão apenas os quadros das cidades que esses são da mãe e do pai e merecemos ter presente sempre de onde viemos e o que já vivemos. 

Continue Reading

baby boy three | his corner

numa casa pequena não há muito por onde inventar, o baby V sempre foi destinado a ficar no quarto dos manos quando passasse à cama de grades, que no caso dos gémeos foi aos três meses porque eu já não distinguia os sons da noite dos deles, do meu respirar e do choro da fome, passava as noites a abrir os olhos a achar que estavam quase a acordar… como só comiam quando acordassem passei noites sem fechar um olho. com o V já decidimos que ao passar para o quarto dos manos tem que passar mais tarde, mais crescido e com noites mais longas, não só pelo espaço como acredito também que os manos precisam do sono, precisam do descanso estando eles numa ano importante, o da primeira classe. precisam do descanso e de noites bem dormidas. assim sendo criei o cantinho do Vasco no nosso quarto com alguns detalhes que adoro, simples, poucas coisas que quero que depois passem com ele para o quarto grande. 
em frente à nossa cama tínhamos uma parede branca, uma cómodas brancas e duas prateleiras brancas com algumas coisas. em cima da cómoda não tínhamos nada praticamente, usava-as mais para pousar o que fosse preciso que outra coisa. passou rapidamente a ter uma função, muda-fraldas e apoio do mesmo. destravei uns armários, mais outras cómodas espalhadas pela casa e as cómodas, seis gavetas passaram a ser todas do novo membro da família. como recebi tanta roupa e acessórios emprestados foi num instante que enchi tudo, mais um terço do armário dos manos que estava vazio.  sou muito prática, odeio exageros e principalmente na roupa gosto de ter suficiente sem exageros, mas com um novo bebé a nascer no inverno, coisa que desconhecia como era, preferi guardar tudo e ir aos poucos re-arrumando, re-pensando e meter de lado assim que já não servir. 

no cantinho do Vasco no nosso quarto metemos só peças que nos são queridas, principalmente da #lojamaisqueridadobairro que essa é minha e tão querida mesmo. cliquem nos link para verem de onde são as peças e prometo que encontram coisas ainda mais giras e podem todas, ou quase, ser personalizadas. os quadros das cidades são meus, feitos há muito em mente para o #babyboythree que terá sempre no sangue estas duas cidades tão nossas. mas o amor do quadro pequenino, do vasco pescador é da querida tia Marta que sabe como nos fazer sorrir e tem jeito para um mundo de coisas fantásticas! 
acho que o resultado, apesar do preto e branco que pode para muitos não ser o ideal para um bebé, ficou muito querido e perfeito para receber mais um rapaz nesta casa. mais tarde passará tudo para o quarto grande e aqui ficarão apenas os quadros das cidades que esses são da mãe e do pai e merecemos ter presente sempre de onde viemos e o que já vivemos. 

Continue Reading

baby boy three | primeiro mês

o primeiro mês…

ainda só tens um mês e eu acho que já cá estavas há imenso tempo, parece que nunca não cá estiveste e parece que fazes parte dos nossos rituais, das nossas rotinas e horários há muito mais que um mês… e no entanto… tens 33 dias.

comecemos então pelas comparações… não posso deixar de falar deste primeiro mês do V sem me lembrar do que foi o primeiro mês dos manos M e F. as comparações entre os gémeos sempre foram a meu ver de evitar, recusava-me a ter que responder quando tinham trinta dias quem era o mais teimoso e mais independente, coisa que para o resto do mundo é muito importante saber… mas agora, faz todo o sentido. não num gesto de ver o que foi melhor ou pior, mas porque quero também aprender com o que fiz, deixei de fazer, não consegui fazer e espero vir a fazer desta vez.

a primeira grande questão é e foi a amamentação.
sempre disse que a conseguirem, dêem de mamar! o nosso leite a ser bom é mesmo bom, mas dramas não, nem para o oito nem para o oitenta… e certo e sabido, todas as crianças e maternidades são diferentes. os manos mamaram até aos 8 meses… mas quando todas as pessoas à minha volta diziam que ia ser impossível, que eu não ia ter nem leite, nem tempo nem cabeça para tal feito… pois talvez por isso mesmo cada vez que tinham que comer, vinham para cima de mim e prova superada… decidi parar por questões de trabalho e eles sem problema passaram para o biberon e leite artificial. não tive dores, tive duas mastites bem superadas, não me queixei mais do que uma pessoa se queixa do sono e de não dormir. agora… este bebé mama bem, eu continuo com leite para gémeos ou mais… mas as dores, ai as dores. como  possível ter dores destas?
eu tive cesarianas… não sei o que é um parto normal, não sei o que são contracções fortes, não sei o que é partir um membro, apenas sei que a dor mais forte que tive foi de uma enxaqueca… mas isto? as dores, a pele, o sangue, o medo da dor… nunca na vida imaginei. se acho necessário, não. ter dores não fazia parte dos meus planos nem sequer alguma vez pensei que ao sentir dor quisesse continuar a dar de mamar a um bebé… mas ele cresce, ele come bem, ele dorme bem, apesar das cólicas que me fazem estar horas a ouvi-lo chorar sem saber como o acalmar, imagino a ele… este baby saiu aos manos e é tranquilo… mas chega à hora e é ver-me quase chorar, espernear antes dele agarrar a maminha… já chorei muito, já gritei imenso, já disse tanto palavrão e mesmo assim deixo-o vir… porque… porque não? coitado, ele merece o que lhe faz bem, eu mereço tê-lo perto de mim, mas quanto tempo vou aguentar eu isto? não sei… mas tanto a obstetra como a pediatra pediram-me para aguentar mais dois meses, a minha irmã garante que isto vai ficar melhor e daqui a nada já não tenho dores nem ferida… mas eu não vejo o fim e não vejo como. se paro sinto-me péssima mãe ou no mínimo má pessoa, se continuo sinto que também não gozamos o momento a cem por cento porque dos vinte minutos de mama passo quinze a agarrar a mama de tal maneira com força para sentir outra dor em vez da dele. espero só que ele não perceba, que no fundo saiba que o faço por ele, que talvez até aguente bem mais que mais dois meses… mas que nunca me falte a vontade de lhe dar o que é meu e melhor, mas que no dia em que parar não me martirize e não me pressione porque tentei e tento sempre.

a chuva passou, o sol decidiu vir ver-nos e nós temos passeado, caminhado, almoçado fora, conhecido sítios novos para pequeno-almoço, sempre com os horários controlados pois com estas dores o meu à vontade para dar de mamar na rua diminui imenso e hoje em dia programo tudo para estar num local fechado e longe de quem me possa ver chorar, gritar ou mandar um po*** bem alto…

faltam trinta minutos para que ele tenha fome… “nevertheless she persisted“…esperemos

Continue Reading

baby boy three | primeiro mês

o primeiro mês…

ainda só tens um mês e eu acho que já cá estavas há imenso tempo, parece que nunca não cá estiveste e parece que fazes parte dos nossos rituais, das nossas rotinas e horários há muito mais que um mês… e no entanto… tens 33 dias.

comecemos então pelas comparações… não posso deixar de falar deste primeiro mês do V sem me lembrar do que foi o primeiro mês dos manos M e F. as comparações entre os gémeos sempre foram a meu ver de evitar, recusava-me a ter que responder quando tinham trinta dias quem era o mais teimoso e mais independente, coisa que para o resto do mundo é muito importante saber… mas agora, faz todo o sentido. não num gesto de ver o que foi melhor ou pior, mas porque quero também aprender com o que fiz, deixei de fazer, não consegui fazer e espero vir a fazer desta vez.

a primeira grande questão é e foi a amamentação.
sempre disse que a conseguirem, dêem de mamar! o nosso leite a ser bom é mesmo bom, mas dramas não, nem para o oito nem para o oitenta… e certo e sabido, todas as crianças e maternidades são diferentes. os manos mamaram até aos 8 meses… mas quando todas as pessoas à minha volta diziam que ia ser impossível, que eu não ia ter nem leite, nem tempo nem cabeça para tal feito… pois talvez por isso mesmo cada vez que tinham que comer, vinham para cima de mim e prova superada… decidi parar por questões de trabalho e eles sem problema passaram para o biberon e leite artificial. não tive dores, tive duas mastites bem superadas, não me queixei mais do que uma pessoa se queixa do sono e de não dormir. agora… este bebé mama bem, eu continuo com leite para gémeos ou mais… mas as dores, ai as dores. como  possível ter dores destas?
eu tive cesarianas… não sei o que é um parto normal, não sei o que são contracções fortes, não sei o que é partir um membro, apenas sei que a dor mais forte que tive foi de uma enxaqueca… mas isto? as dores, a pele, o sangue, o medo da dor… nunca na vida imaginei. se acho necessário, não. ter dores não fazia parte dos meus planos nem sequer alguma vez pensei que ao sentir dor quisesse continuar a dar de mamar a um bebé… mas ele cresce, ele come bem, ele dorme bem, apesar das cólicas que me fazem estar horas a ouvi-lo chorar sem saber como o acalmar, imagino a ele… este baby saiu aos manos e é tranquilo… mas chega à hora e é ver-me quase chorar, espernear antes dele agarrar a maminha… já chorei muito, já gritei imenso, já disse tanto palavrão e mesmo assim deixo-o vir… porque… porque não? coitado, ele merece o que lhe faz bem, eu mereço tê-lo perto de mim, mas quanto tempo vou aguentar eu isto? não sei… mas tanto a obstetra como a pediatra pediram-me para aguentar mais dois meses, a minha irmã garante que isto vai ficar melhor e daqui a nada já não tenho dores nem ferida… mas eu não vejo o fim e não vejo como. se paro sinto-me péssima mãe ou no mínimo má pessoa, se continuo sinto que também não gozamos o momento a cem por cento porque dos vinte minutos de mama passo quinze a agarrar a mama de tal maneira com força para sentir outra dor em vez da dele. espero só que ele não perceba, que no fundo saiba que o faço por ele, que talvez até aguente bem mais que mais dois meses… mas que nunca me falte a vontade de lhe dar o que é meu e melhor, mas que no dia em que parar não me martirize e não me pressione porque tentei e tento sempre.

a chuva passou, o sol decidiu vir ver-nos e nós temos passeado, caminhado, almoçado fora, conhecido sítios novos para pequeno-almoço, sempre com os horários controlados pois com estas dores o meu à vontade para dar de mamar na rua diminui imenso e hoje em dia programo tudo para estar num local fechado e longe de quem me possa ver chorar, gritar ou mandar um po*** bem alto…

faltam trinta minutos para que ele tenha fome… “nevertheless she persisted“…esperemos

Continue Reading
Close Menu
×
×

Cart