i’m running | week 04.08

treino em casa… ou onde quiserem
não vou mentir, correr não é de todo a minha praia, aliás eu sou mesmo praia, deitada e de preferência sem areia nos pés. mas quando decidi a “mexer-me” mais no início do ano, foi mesmo a pensar que se tivesse que correr para isso, então que fosse. claro que tenho que pagar a alguém para me obrigar senão eu corro do banho para a cama, ou do sofá para a cama, e isso não estava a dar resultado nenhum. eu ando a pé 20min de manhã e mais uns 20min à tarde, sempre ou a subir ou a descer e tem-me habituado a mexer quer eu queira quer não, mas correr à séria ou exercício forçado fazia-me falta tenho que admitir. o P tem sido a companhia ideal para isto, não é demasiado bossy, mas também não tem pena de mim… NENHUMA mesmo. eu bem tento, “quão cansada te sentes de 0 a 10?” eu bem grito “10,5!!!” mas ele ignora, já cheguei a chamar a polícia para me salvar, riram-se e acho até que piscaram o olho ao P… indecente. 
todos os sábados de manhã lá estou eu no jardim mais giro e cool da cidade onde ainda só se mexem os patos, e lá está ele, o homem de neon, capuz e mochila a abarrotar de adereços que de giros não têm nada, mas sim um leve aspecto de tortura. a meio da semana a cena lá se repete à beira-rio, mas desta vez não há patos mas sim dezenas de gente a correr para trás e para a frente sem eu perceber bem porquê… até chegar a casa, tomar banho e sentir-me super bem! sim, eu admito, se não é a minha praia, tem-me feito um bem bestial. se eu já me sentia bem em dezembro, hoje sinto-me capaz de mudar o mundo, o meu pelo menos. quando acabo o treino ao sábado estou pronta para tudo, desço a calçada e lá vou eu a sorrir e a pensar que consegui mais um treino, quando nem há meia-hora atrás estava literalmente a pedir socorro! o meu peso agradece e ultimamente isso nem tem sido fundamental, a minha cabeça parece outra, eu sinto-me muito melhor e acho que estou a começar a gostar… mas não digam nada ao P porque ele cada dia inventa uma tortura diferente e diz sempre “estou a gostar de ver, estás cheia de energia!” o que quer dizer que se ele sonhar que eu adoro isto, no próximo sábado deixa-me k.o.!! 

Continue Reading

i’m running | week 04.08

treino em casa… ou onde quiserem
não vou mentir, correr não é de todo a minha praia, aliás eu sou mesmo praia, deitada e de preferência sem areia nos pés. mas quando decidi a “mexer-me” mais no início do ano, foi mesmo a pensar que se tivesse que correr para isso, então que fosse. claro que tenho que pagar a alguém para me obrigar senão eu corro do banho para a cama, ou do sofá para a cama, e isso não estava a dar resultado nenhum. eu ando a pé 20min de manhã e mais uns 20min à tarde, sempre ou a subir ou a descer e tem-me habituado a mexer quer eu queira quer não, mas correr à séria ou exercício forçado fazia-me falta tenho que admitir. o P tem sido a companhia ideal para isto, não é demasiado bossy, mas também não tem pena de mim… NENHUMA mesmo. eu bem tento, “quão cansada te sentes de 0 a 10?” eu bem grito “10,5!!!” mas ele ignora, já cheguei a chamar a polícia para me salvar, riram-se e acho até que piscaram o olho ao P… indecente. 
todos os sábados de manhã lá estou eu no jardim mais giro e cool da cidade onde ainda só se mexem os patos, e lá está ele, o homem de neon, capuz e mochila a abarrotar de adereços que de giros não têm nada, mas sim um leve aspecto de tortura. a meio da semana a cena lá se repete à beira-rio, mas desta vez não há patos mas sim dezenas de gente a correr para trás e para a frente sem eu perceber bem porquê… até chegar a casa, tomar banho e sentir-me super bem! sim, eu admito, se não é a minha praia, tem-me feito um bem bestial. se eu já me sentia bem em dezembro, hoje sinto-me capaz de mudar o mundo, o meu pelo menos. quando acabo o treino ao sábado estou pronta para tudo, desço a calçada e lá vou eu a sorrir e a pensar que consegui mais um treino, quando nem há meia-hora atrás estava literalmente a pedir socorro! o meu peso agradece e ultimamente isso nem tem sido fundamental, a minha cabeça parece outra, eu sinto-me muito melhor e acho que estou a começar a gostar… mas não digam nada ao P porque ele cada dia inventa uma tortura diferente e diz sempre “estou a gostar de ver, estás cheia de energia!” o que quer dizer que se ele sonhar que eu adoro isto, no próximo sábado deixa-me k.o.!! 

Continue Reading

twenty fourteen project | 12

from one of those saturdays when we used to pick up the car and drive to a different country, a differente city, a different culture just because. from one of those days where we fit like love does. from one of those days we need to always keep in mind. 

(this twenty fourteen project will change to thursdays)

Continue Reading

twenty fourteen project | 12

from one of those saturdays when we used to pick up the car and drive to a different country, a differente city, a different culture just because. from one of those days where we fit like love does. from one of those days we need to always keep in mind. 

(this twenty fourteen project will change to thursdays)

Continue Reading

instaweek 12.14

não vou mentir, começou bem e descansada, tornou-se numa semana triste e cheia de questões que põem uma pessoa cansada e com vontade de se fechar num casulo. viram pelo post sobre a morte o quão o ambiente mudou por aqui, se bem que não me afectou directamente, mexeu com quem eu gosto muito e foi muito difícil ver quem tem uma força do tamanho do mundo ficar pequenino e indefeso… o ambiente melhora a olhos vistos mas as questões ficam e a tristeza perdura… esperemos por melhores dias primaveris. conheci uma loja nova, e se bem que amei a roupa, não é de todo o meu género, de todo o meu preço, não posso pagar 69€ por túnicas, mas acho que pagava qualquer preço pelos móveis que lá vi. é uma pequena sala de estar, acolhedora e tão informal onde apetece estar horas… se não olharmos a etiquetas… que pena… voltar a outra loja que me enche de felicidade, onde já fui mil e uma vezes, e onde encontro sempre um sorriso maravilhoso. um dia do pai em família, com o meu e o deles e o do mini-m, presentes que chegaram sem serem esperados e uma foto que relembra outros tempos, e carinhas de hoje. uma surpresa ao vivo e a cores e umas flores que têm força para curar tudo. 
i won’t lie, it started off well, relaxed and it turned into one of the saddest weeks, full of hard questions to answer, doubts, leaving us tired, exhausted and wanting to close up into a cocoon. if you read my last post on death you probably understood how things changed around here… though it didn’t affect me directly it sure did to someone i love very much. watching someone so strong become so helpless and sad makes you wonder and leaves you thinking… the moood is slowly changing but questions remain unanswered and sadness last… we are hoping for happier spring days. so i visited a new shop, and though i absolutely loved the clothes, it is not really my type of clothes and sure not my type of price, 69€ for tunics leaves me a bit thrown off, but i think i’d pay a lot more for the gorgeous furniture in the shop. an informal and relaxed sort of living room where you feel like staying for a while… if i don’t look at the price tags… it’s a pity. visiting another old shop that fills me with happiness, where i’ve been in a thousand times and where smiles are wide. a father’s day with family, my father, theirs and mini-m’s, gifts that arrive by surprise and a photo that reminds everyone of life gone by. a huge surprise in loco, and flowers that have the power to cure everything. 

Continue Reading

instaweek 12.14

não vou mentir, começou bem e descansada, tornou-se numa semana triste e cheia de questões que põem uma pessoa cansada e com vontade de se fechar num casulo. viram pelo post sobre a morte o quão o ambiente mudou por aqui, se bem que não me afectou directamente, mexeu com quem eu gosto muito e foi muito difícil ver quem tem uma força do tamanho do mundo ficar pequenino e indefeso… o ambiente melhora a olhos vistos mas as questões ficam e a tristeza perdura… esperemos por melhores dias primaveris. conheci uma loja nova, e se bem que amei a roupa, não é de todo o meu género, de todo o meu preço, não posso pagar 69€ por túnicas, mas acho que pagava qualquer preço pelos móveis que lá vi. é uma pequena sala de estar, acolhedora e tão informal onde apetece estar horas… se não olharmos a etiquetas… que pena… voltar a outra loja que me enche de felicidade, onde já fui mil e uma vezes, e onde encontro sempre um sorriso maravilhoso. um dia do pai em família, com o meu e o deles e o do mini-m, presentes que chegaram sem serem esperados e uma foto que relembra outros tempos, e carinhas de hoje. uma surpresa ao vivo e a cores e umas flores que têm força para curar tudo. 
i won’t lie, it started off well, relaxed and it turned into one of the saddest weeks, full of hard questions to answer, doubts, leaving us tired, exhausted and wanting to close up into a cocoon. if you read my last post on death you probably understood how things changed around here… though it didn’t affect me directly it sure did to someone i love very much. watching someone so strong become so helpless and sad makes you wonder and leaves you thinking… the moood is slowly changing but questions remain unanswered and sadness last… we are hoping for happier spring days. so i visited a new shop, and though i absolutely loved the clothes, it is not really my type of clothes and sure not my type of price, 69€ for tunics leaves me a bit thrown off, but i think i’d pay a lot more for the gorgeous furniture in the shop. an informal and relaxed sort of living room where you feel like staying for a while… if i don’t look at the price tags… it’s a pity. visiting another old shop that fills me with happiness, where i’ve been in a thousand times and where smiles are wide. a father’s day with family, my father, theirs and mini-m’s, gifts that arrive by surprise and a photo that reminds everyone of life gone by. a huge surprise in loco, and flowers that have the power to cure everything. 

Continue Reading
Close Menu
×
×

Cart