precious finds | little loom weaving

Numa troca gira de serviços chegou até mim este livro de Weaving, quem me conhece sabe o quanto eu adoro fazer tapeçaria em tear pequeno, mas que tenho sempre mil dúvidas e ando sempre a investigar como fazer outros pontos, sempre à procura de como inovar principalmente em peças mais pequenas. Tenho uma paixão por usar a lá, o fio e tantos matérias neste modo em que não há nada para coser nem costurar, há só enfiar, puxar, levar, mudar, tirar, movimentos que quase parecem uma dança mas que podem ser desmanchados, repensados à medida que o vamos fazendo.

Nunca fiz uma peça igual a outra, mesmo quando me pedem que querem igual a alguma que já fiz, seja porque não quero mesmo fazer igual, seja porque já não me lembro de tudo o que fiz, tento sempre que o tear "fale" comigo e me deixe levar. 



Little Loom Weaving | siteloja easy . pinterest . instagram

Este livro é uma excelente base para começar e não só, aprender a ter coragem para fazer peças diferentes, peças mais difíceis e aprender com tantas formas diferentes de usar os "pontos". Há uns anos publiquei sobre o tear redondo, aliás era quadrado, mas a peça ficaria redonda, o que eu sofri com aquilo, ainda hoje olho e vejo tantos pontos mal feitos, ainda sinto o stress que me provocou ao mexer naquele formato fora de formato... hoje em dia, adoro. De todos os que já fiz os meus redondos são os mais bonitos, mas já não uso o tear quadrado que talvez seja defeito profissional, usar círculos em quadrados sempre me deu a volta à vista... agora uso aros e divirto-me imenso. Têm saído peças giríssimas, e muitas delas já por aí andam a decorar quartos e casas.

Recomendo que falem com a Andreia Gomes e que a sigam pelo seu trabalho e que lhe encomendem o livro para também vocês descobrirem esta nova, de todo nova, terapia. Faz bem à alma. 

Os miúdos já fizeram as malas dos brinquedos, jogos de tabuleiro e vinte versões de cartas, o baby só leva bolas de futebol, o pai leva dez livros e eu levo o tear e um cesto de lãs... Fazer o que gostamos sempre!



where to eat | merceario bio food

Levei algum tempo a lá chegar, não foi agora, este post já devia ter saído a algum tempo, mas nem sempre consigo falar de tudo no tempo perfeito e às vezes preciso de mais tempo para pensar bem no que vou dizer... não foi o caso, a opinião ficou formada logo e muito positiva, mas não sei se foi do tempo ou da preguiça invernal, só agora consegui deixar aqui o post merecido.



 

Food Mercearia Bio . largo conde barão 15, lisboa | facebook . instagram 

Adoro conhecer sítios novos por me levarem lá, este espaço faz parte da série #surpresasboas ou até #reuniõesàmesa daqueles momentos em que para me convencerem a fazer um trabalho, me levam a comer que é pelo estômago que me agarram, não estão de todo errados, mas podíamos comer menos claro! Aqui não foi refeição, foi um café e uma fatia de bolo de cenoura que posso declarar ser dos melhores que já comi, sendo que normalmente como bolo de cenoura em casa e raramente o toco, pois é para as crianças... este foi só para mim. Muito bom. Incluindo o café que sem manis xpto saiu bem à primeira, soube divinalmente.

Nume zona que começa a ganhar uma vida nova, nem há dez anos eu raramente lá passaria quando vinha de férias pelo cheiro, frequência e sujo que por lá havia, agora há de tudo, está tudo com nova cara e a lisboeta agradece, mal por mal os turistas a isto obrigam e Lisboa merece que a visitem e que a arranjem... já tratar bem é outra coisa.




A Food Mercearia Biológica, tem no fundo um conceito muito acolhedor, comer algo caseiro num espaço quentinho e fazer umas compras de mercearia de coisas tão simples como de tanta coisa diferente e que apetece experimentar. Preciso de lá ir com olhos de ver, apesar de ser assumidamente não-verde também gosto de experimentar, de conhecer e acima de tudo provar.

Definitivamente onde voltar e provar mais coisas aconchegados, há lanches, pequeno almoço, almoços e bom café, para mim chega!

have a great week | 31.2018


working with | the love project

Ultimamente tenho passado muito tempo na florista! Ela já sabe o que eu quero assim que me vê, pergunta logo os tons que eu preciso e obviamente, mesmo eu estado no meio das flores, não sei os nomes de todas nem sei como se comportam todas o que faz com que passar pela florista às 7 da manhã seja um momento para aprender e absorver o máximo de informação. A primeira coisa a reter é que todas as flores se podem usar de uma maneira ou outra, juntas, separadas, em jarro, soltas, secas ou ainda por desabrochar. E por isso tem sido tão bom explorar este novo mundo.

Em maio, mês das flores por excelência, a Joana pediu-me para lhe montar o cenário das suas sessões do Dia da Mãe, podem ir lá ao cantinho dela espreitar, mas deixo-vos um cheirinho do que fiz visto pela lente da Joana! Espero que gostem. Ficou querido e deu para criar momentos especiais tenho a certeza.

   


   
 



Adoro estes convites para criar algo que mesmo que dure um dia vai encher as paredes de casas de muitas família, com fotos cheias de cor e imensa ternura. Também já tinha feito a sessão da Joana para o Natal, e também, sou suspeita claro, ficou um amor e em breve também mostro! 
Quando precisarem de uma decoração, evento ou momento especial com flores falem comigo!







Cenário | Andrea . facebook . instagram

workshop | macramé with po:emo

Aprender coisas novas faz parte de mim, não sei viver sem aprender, sem procurar, sem criar e tentar saber mais sobre algo novo. Há anos que ando de olho na Sara, coitada... tipo stalker. No início porque queria colaborar com ela num espaço que tive pronto a receber marcas giras e que precisavam de mostrar ao público o que fazem de giro e novo, mas depois porque queria muito que ela dedicasse o tempo a workshops, só para eu ter uma desculpa para aprender, ver de perto e tirar as teimas se de facto o macramé era algo para mim. Pelos visto parece que é... A Sara finalmente fez um workshop que desse para eu ir, no seu pequeno canto, lindo de morrer com direito a bolo de banana, que se não souberem, ficam a saber que é dos meus preferidos e este estava divinal... já o macramé fiquei a saber que também adoro!



Será crédito mais da professora do que da aluna, será do espaço, do bolo, do ambiente que se cria quando num espaço acolhedor se juntam quatro pessoas com gosto pelo trabalho feito à mão, com vontade de aprender e de criar algo. Talvez dos trabalhos, ou pelo menos momentos, mais zen que alguma vez vivi... tirando o olhar continuamente para um bebé recém-nascido durante horas, isto fez-me lindamente.




Também me perdi pelos recantos do espaço, não fosse eu arquitecta e sempre em modo "à procura de cenários bonitos", os pormenores fazem a diferença e aqui há mil. 






po:emo | sitefacebook | instagram
workshops | info@poemo.pt

Estou orgulhosa da minha peça, sei que tem erros e com eles muita aprendizagem pela frente, mas só se aprende com desafios e vem por aí um, enorme por sinal. Já mandei vir a corda, pela Po:emo e não tarda estou em pela posição macramé, posição essa que envolve um charriot, um banco e alguma ginástica pois as costas dão de si e não é da idade. Se gostam de trabalhos manuais, experimentem, estejam atentas às datas e aprendam sempre coisas novas!

where to eat | zenith lisboa


Com toda a certeza não sei se adorei ou se me ficou indiferente. Não comi mal, a tosta de ovo estava óptima, o croissant estaladiço, o sumo cheio de fruta e o iogurte natural com fruta estava muito bom... dito isto, tirando ali a parede do sofá verde, poderia estar noutro sítio qualquer. A recusa de nos fazerem uma torrada simples porque não fazer parte do menu chateia e é daquelas coisas que não lembra ninguém, se têm pão, se têm manteiga ou azeite... não meter o ovo em cima não me parece uma trabalheira por aí e além... que tenhamos que acrescentar um "pagamos o mesmo valor" só para ver se passa não deveria ser preciso, mas nem isso deu porque sem ovo não se come o pão... mas panquecas com gelado já lhes parece uma excelente opção para as 9 da manhã. Enfim, mais um na lista, cheio de turistas claro e é disso que Lisboa vive agora e no fundo se não fossem eles vivíamos de torradas e meias de leite, certo? 




zenithlisboa brunch&cocktails | sitefacebook . instagram

Quando for ao Porto quero experimentar o Zenith de lá... talvez seja melhor, talvez seja mais natural, mas que não deixem de fazer a tal tosta com ovo que essa sim era muito boa!

let's party | harry potter

Há temas de festas e depois há TEMAS de festa. Já lá vai o tempo em que eu é que decidia cá em casa que festa iria ser, desde que houvesse bolo, amigos e barulho eles alinhavam... até aos três decidi eu, a partir daí foi tentar que não pedissem coisas demasiado elaboradas e que envolvessem cola... já sabem que não somos amiga, eu e a cola.













O ano começou com os manos a pedirem outra festa "star wars" e eu até relaxei porque é tema que tem tralha para mil festas, não me cansa porque também eu sou fã da saga, deixei estar... até que em abril me lembrei de voltar a perguntar e qual não é o meu espanto quando me pedem os dois uma festa 2harry potter", até perguntei se sabiam quem era ao qual me respondem praticamente em resumo do primeiro filme... de outra saga. Maldita a hora em que lhes meti a ver os filmes para se habituarem às legendas e terem acesso ao inglês sem ser só o básico... sou feita pensei eu!
Voltei a ver os primeiros três filmes... não sou muito fã mas percebo que nos primeiros três pelo menos há imenso pormenor que dá para transformar em prop de festa. Mal sabia eu que estou circundada de verdadeiros fãs e de amigas que sabem tudo e mais alguma coisa sobre o personagem, sobre  ambiente e detalhes que só mesmo quem viu tudo de trás para a frente.



Tive que voltar a ver o filme, fazer uma pesquisa, usar o pinterest como salva-vidas! E apesar do mini avc que tive quando percebi que não tinha muito tempo para fazer tudo aquilo que eu achava que a festa devia ter, para além de me desdobrar e delegar alguns pormenores, fiz maratona nesta cidade à procura de peças que completassem o conjunto. Desde ir buscar fatos de carnaval, ir a feiras de velharias, percorrer três tigers à procura de peças diferentes, encontrar os óculos perfeitos só em carcavelos, arranjar os feltros dos tons perfeitos, imprimir um lençol de tijolos desenhados à mão, combinar o lanche com os tons da festa, sim só eu, foi uma correria que valeu a pena e que me enche de orgulho. Com esta festa consegui criar um kit perfeito para uma festa Harry Potter mesmo gira que tem imenso por onde ver, e lembrar a história que tem uma geração, não a minha parece, inteira completamente fanática! Vi mais miúdas a vibrar com isto do que propriamente os rapazes que embora saibam tudo ao pormenor acham mais piada aos truques de magia que propriamente ao detalhe das velas em forma de candelabro... mas enfim... o que é certo é que não sobrou uma migalha de nada, todos adoraram e mais giro ainda é que ganhei um prémio de mãe fixe ao final do dia!



festa harry potter | party planning e decor | andrea
pormenores:
velas | tiger
garrafa | tiger
guardanapos e pratos | docinho de açúcar
óculos harry | docinho de açúcar

Mais uma etapa, mais um ano, meus crescidos e que crescidos. Que seja sempre assim, conseguir dar-vos mais um motivo para sorrir mesmo que não durma umas noites!